História (nem tanto) infantil

Era uma vez, uma família de porquinhos, no interior de Minas Gerais.
Era uma família muito grande.
Tinham muitos irmãos.
Uma das porquinhas mais novas, foi estudar numa capital do litoral.
Dizem alguns, que quando jovem foi contra a monarquia, mas quem a conheceu duvida.
Ela era muito inteligente e perspicaz.
Cresceu e foi se tornando amiga da realeza.
A sua inteligência e perspicácia juntou o censo de oportunismo.
Tornou-se editora de economia, sem ser economista, do jornal da realeza.
Era a defensora das atitudes da realeza. Seja qual fosse.
Com sua inteligência, perspicácia, censo de oportunismo, e a benesses da realeza e a família montou um parque industrial educacional ( são 9 fabricas, fundação, etc.) e outras.
A irmã casou em uma família possuidora de um castelo (parece conto de fada)
Segundo a concepção capitalista de realização ela era uma pessoa realizada.
Mas ai.....................

Tcham, tcham, tcham (música de fundo - nível de som 1)

Cai a realeza.
Ela já não tem um saco lucrativo para "puxar".
Continua sendo a editora do jornal da realeza.

Tcham, tcham, tcham (música de fundo - nível de som 2)

Vem a crise do neo-liberalismo.
O governo do "grande irmão branco do norte" injeta bilhões de dólares nos bancos privados e fala em estatizar os mesmos.
Tudo que ela defendia de unhas e dentes foi de água abaixo.
Ela e os seus pares da realeza perdem a credibilidade.
Ela continua falando, mas já virou motivo de "chacota" e corre o risco de virar figura folclórica.

PS: Um dos porquinhos, que ficou lá "nos" interior de Minas Gerais, fez uma logomarca para a prefeitura de lá.
A prefeitura começou a usar a "logo" e logo apareceu uma empresa de São Paulo com um processo e a prefeitura teve que pagar uma multa (Dizem de R$ 70.000,00) por plágio.

Agora me respondam : NÃO É URUCUMBACA.

Se você acredita em URUCUMBACA OU ENCOSTO , junte-se a nos e vamos fazer uma corrente de oração em prol da Grande Economista.
(Ou seria melhor aconselhá-la a procurar um desses pastores que expulsam os encostos).

Nenhum comentário: