CNT\SENSUS - Dilma lidera

Levantamento CNT/Sensus, divulgado hoje, confirmou a tendência de
crescimento da pré-candidata do PT, Dilma Rousseff. Se o primeiro turno
fosse agora, ela teria 35,7% das preferências, vencendo José Serra
(33,2%), Marina Silva (7,3%) e José Maria Eymael (1,1%).

Em janeiro, na edição passada da pesquisa, José Serra estava na frente
da pré-candidata do PT, com 40,7%. Dilma Rousseff recebeu, naquele mês,
28,5% das intenções. Se a eleição de outubro para presidente da
República fosse decidida em segundo turno entre Dilma e Serra, a petista
venceria por 41,8% a 40,5%. Na pesquisa realizada em janeiro, Serra
estava na frente com 44%. Dilma recebeu, na época, 37,1% da
preferência.

Caso a disputa no segundo turno fosse entre Dilma e Marina, a petista
ganharia com 51%, deixando Marina com 21%. Esta foi a primeira vez que a
pesquisa simulou esta hipótese de segundo turno.

 Dilma também aparece em primeiro lugar na pesquisa espontânea, com
19,8%. Neste tipo de pesquisa, os entrevistados apontam quem eles
pretendem votar na eleição de outubro, sem que o entrevistador apresente
nomes. Esta é a primeira vez que Dilma fica na frente do presidente Lula
na pesquisa espontânea de intenção de voto.

Na espontânea, Serra fica em segundo lugar com 14,4%. Marina Silva (PV),
Ciro Gomes (PSB), Geraldo Alckmin (PSDB) e Aécio Neves (PSDB) foram
citados por menos de 1% dos entrevistados. Na última pesquisa
espontânea, em fevereiro, Dilma foi apontada por 9,5% dos entrevistados.
O ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) estava com 9,3% e a
ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (PV), com 1,6%.

A 101ª pesquisa CNT/Sensus entrevistou dois mil eleitores, em 126
municípios de 24 estados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

O instituto Vox Populi mostrou no último fim de semana Dilma pela
primeira vez à frente de José Serra (PSDB), com 38% das intenções de
voto a 35%. Como a margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos
percentuais para mais ou para menos, os dois aparecem tecnicamente
empatados na corrida presidencial

Nenhum comentário: